sobre

Todos os anos, desde 2014, entre o fim de agosto e o início de setembro, abrimos as portas de nossa casa e reunimos pessoas de todo o mundo na Figueira da Foz, uma pequena cidade costeira em Portugal. Durante quase uma semana partilhamos ondaspranchasmúsicaartecomida e vinho.

Ao longo deste tempo, transformámos uma cidade costeira periférica no contexto do surf nacional, num ponto central internacional da cultura de surf clássico! Com colaborações com eventos que decorrem na Austrália, na Indonésia, nos Estados Unidos, no Japão, no Brasil, e em inúmeros países europeus e mundiais.

História

O Gliding Barnacles não começou como um evento ou um festival.

Começou com uma comunidade de surfistas a lutar pela sua onda favorita, chamada Cabedelo.

Quando os bancos de areia da praia foram perturbados pelo alongamento dos molhes que cercam a foz do rio Mondego, a onda ficou em perigo. Em 2009, criou-se um movimento chamado “SOS Cabedelo”. O projecto “Cidade-Surf” foi a resposta seguinte, em 2011, questionando a forma como o planeamento urbano olhava a relação entre a cidade e o oceano, chegando a vencer a iniciativa promovida pelo Jornal Expresso e pelo Millennium bcp, na categoria Cidades.

Dessa mudança nasceram novas propostas, explicando a importância económica do surf e da praia como parte da cidade.

Ao longo da jornada ficou claro que a verdadeira e única resposta era partilhar o Cabedelo. Mas não só! Queríamos também partilhar o gosto pelo surf, pela música, pela fotografia, pelo cinema, pela pintura, pela comida e pelo vinho.

Mas como?

Numa cidade conhecida pelo turismo de praia, decidimos criar um evento, envolver a população local e atrair ainda mais pessoas.

O Gliding Barnacles nasce assim da vontade de partilhar as praias do Cabo do Mondego e de celebrar a cultura do mar Atlântico com pessoas vindas de todo o mundo.